Historia do Rock Progressivo Italiano

No final dos anos sessenta na Itália além dos clássicos italianos e canções melódicas estava na moda um tipo de música onde covers de músicas já famosas  prevalecia era o “Beat italiano”. Era uma versão italiana do gênero musical Inglês ” Mersey Beat” completamente diferente do fenômeno americano Geração Beat. Na Itália “Beat” eram canções simples e impensadas com harmonias vocais claras com ritmos para dançar, canções em sua forma revolucionária inspiradas pelos Beatles, Rolling Stones, Yardbirds, Animals e The Hollies. Para se inspirar significava produzir covers, canções vindas do estrangeiro para fazer novas peças. Muitas bandas de rock progressivo italiano começaram sua carreira como “bandas beat italianas” embora às vezes com nomes diferentes como por exemplo: Le Orme, Premiata Forneria Marconi (I Quelli), Banco del Mutuo Soccorso, New Trolls, Delirium (I Sagittari), I Giganti, Metamorfosi (Frammenti), Il Balletto di Bronzo e muitos outros. “A música pop” naquele momento na Itália foi totalmente separada da “música culta”. Não havia “música moderna” nas escolas e a formação dos músicos costumava ter orientação clássica . Ivano Fossati cantor e instrumentista do Delirium disse: “nos anos sessenta havia apenas os “assassinos” com as guitarras eléctricas e os que estudaram no Conservatório. Dois mundos irreconciliáveis”. Em seguida os porta-estandartes dos novos sons do rock progressivo vieram da Grã-Bretanha ( King Crimson, Yes, Emerson Lake & Palmer, Genesis, Gentle Giant e Van Der Graaf Generator) mostrando uma nova  possibilidade do rock ser misturado com música clássica na produção de álbuns cheios de significado, o rock progressivo é a idéia de uma música culta para um povo de culto.

Franz Di Cioccio baterista do Premiata Forneria Marconi disse: Não há uma data específica que marca o início da primeira onda do rock progressivo italiano nos anos setenta. As influências musicais foram provenientes da Inglaterra um país que tradicionalmente sempre espalhou sementes importantes para o desenvolvimento da música enquanto que os americanos sempre mostraram mais habilidades em buscar a “vêia comercial”. No entanto os críticos costumam afirmar que o início do “Italian prog” veio com o lançamento de “Collage” o álbum do Le Orme na primavera de 1971. Toni Pagliuca o tecladista do Le Orme disse:  Queríamos colocar algumas improvisações entre as partes de canto e tivemos que fazer as nossas mentes trabalharem sobre o estilo a seguir … Depois do festival da ilha de Wight ficou claro para todos nós que não podíamos continuar a tocar as músicas habituais com versos e refrões. O album do Le Orme teve um sucesso extraordinário e inesperado e as bandas imediatamente os seguiram com outros álbuns no mesmo estilo como Premiata Forneria Marconi com “Storia di un Minuto”, New Trolls com “Concerto Grosso per i New Trolls”, Delírium com ” Dolce acqua “e Banco del Mutuo Soccorso com o álbum homônimo. Vittorio Nocenzi o tecladista do Banco del Mutuo Soccorso disse: o projeto BMS ‘voltou à vida quando eu tinha apenas dezoito anos com a primeira line-up e a vontade de encontrar uma ponte entre a “geração beat” e a necessidade de uma nova síntese musical nos caminhos da música clássica onde eu já tinha andado.

A Era de Ouro do Rock Progressivo italiano estava surgindo. Gianni Leone, o tecladista e cantor do Il Balletto di Bronzo comentou:  Na Itália eles começaram a falar de rock progressivo durante um festival pop em Novate perto de Milão. Lembro-me da reunião com o Banco del Mutuo Soccorso, Osanna , PFM, Travel, Idea Nuova, todas as bandas mais importantes desse período estavam lá. Foi logo após o verão de 1971. A Rádio (RAI) transmitiu o “Per voi giovani” (Para vocês, rapazes). O “airplay” da rádio foi muito importante para a difusão da música progressiva. Naquela época o rádio era a mídia básica para se ouvir música nova.  Naquela época haviam alguns tipos de música que não tinham qualquer divulgação e tudo o que se tinha era apenas uma transmissão no ar apenas uma vez por semana. Me senti como o último dos moicanos enquanto estava lá para ouvir todas as notas, que ouro, que líquido dourado. Foi a única maneira de defender-nos dos italianos melódicos que usam o radio para se pronunciar sobre a cena musical. Não havia mais nada. Os rádios são usados para tocar música muito comercial. Então você não tinha outra escolha senão ajustar seu rádio para as freqüências de rádios estrangeiras como a Rádio Luxemburgo  esperar  a tarde chegar quando você sabia que “Per voi giovani” ou algum outro programa esporádico iria tocar este tipo de música.

De 1972 a 1975 quase todo mundo na Itália parecia ser apreciador de música progressiva. Quase todas as bandas desse período estavam fazendo algo no estilo prog até mesmo as bandas que não estavam envolvidas na cena prog (por exemplo Nomadi e Pooh) e até mesmo alguns cantores e compositores como Francesco Guccini e Fabrizio De André tiveram álbuns lançados apresentando um pouco de arranjos progressivos. Mas quais são as características do rock progressivo italiano em comparação ao rock progressivo de outros países? Franco Mussida guitarrista do Premiata Forneria Marconi disse:  Progressivo é basicamente uma mistura de três elementos: a música, a improvisação inspirada pelo jazz e à composição em estilo clássico. Este coquetel é interpretado de maneiras diferentes em cada país: na Inglaterra por exemplo temos as influências de rock, musica celta e blues prevalecem. Na Itália temos de lidar com a nossa tradição clássica: o melodramma, Respighi, Puccini, Mascagni, como também todos os clássicos contemporâneos. É nesse legado na minha opinião que a especificidade do Rock Progressivo italiano está oculto. Gianni Leone disse:  Nesse período, nós italianos tivemos que lutar contra a parede da melodia italiana. Nós do Il Balletto di Bronzo fomos viver em Nápoles e nós tivemos que suportar sobre os nossos ombros uma pesada pedra até mesmo da cultura napolitana e a música napolitana. Tivemos que enfrentar essa tradição,  tivemos que lutar contra as convenções e nos recusamos a ser integrados. Os Novos Sons não haviam chegado ainda não havia música para os jovens, não havia nada, você tinha que inventar e construir o seu espaço. Talvez esse foi esse o motivo principal que desencadeou tal força criativa.  Aldo Tagliapietra, o baixista e vocalista do Le Orme comentou:  Prog era praticamente um tipo de música que veio com as formas de música culta e que foi tocada por músicos com uma sólida formação clássica e um certificado de Conservatório em seus bolsos mas com cabelos longos, tambores , instrumentos eletrônicos e paredes de amplificadores. Naquela época eles preferiram chamá-lo de “Pop” que é o nome encurtado para “Popular” com o significado difuso e famosos diferente do significado que o “Pop” tem hoje (sinônimo de algo a meio caminho entre música, dança e músicas melodicas).

No entanto estaria me limitando a considerar características específicas da cena Italianprog apenas mencionando as influências musicais e as alquimias da mistura diferente entre rock, música clássica, jazz, folclore italiano e assim por diante. Dentro dos álbuns desse período você poderá encontrar as tentativas de misturar música com poesia, literatura, política e critica social. Algumas vezes os resultados foram excelentes outras vezes apenas confusos e pretensiosos. Ivano Fossati comentou:  Foi a tendência daqueles anos: a complicar tudo o que era simples e que poderia ter sido ainda mais simples. Os álbuns da época eram estranhos, contorcidos e complexos, seguindo os modelos ingleses, do King Crimson acima de tudo. Dentro das faixas de um álbum você pode muitas vezes encontrar fragmentos de compositores clássicos como Scarlatti, Bach, Vivaldi ou Corelli. Os álbuns costumavam ter estruturas complexas e geralmente eles estavam muito longe do “easy listening”. A melodia italiana era muitas vezes usada para cair fora nas partes de canto enquanto que nas letras  você poderia encontrar um pouco de tudo, Wolf  Biermann com passagens dos Evangelhos, a partir da filosofia de Nietzsche para a poesia de Ludovico Ariosto. Ivano Fossati comentou:  Nós adoramos dar significados ocultos a tudo e estamos habituados a fazê-lo em toda sinceridade não só para plagiar outras bandas. Os álbuns dos anos setenta eram muito ricos em idéias embora nem todas as idéias foram boas porque o “grupo” foi considerado como um ginásio onde todos tinham o direito de treinar. O clima político daqueles anos contribuiu muito para fortalecer esse conceito. O grupo era uma instituição democrática cada membro poderia trazer uma idéia e pedir aos outros para desenvolvê-la. Havia muita inexperiência e ingenuidade mas também um pouco de pretensão devido ao entusiasmo em ter a chance de gravar e lançar um álbum. Não havia planos, é isso. É diferente de hoje onde você demonstra o seu conhecimento apenas para atingir o público.

No início dos anos setenta havia muitos festivais na Itália. Eles foram organizados com o mesmo espírito como os pioneiros com meios limitados tentando imitar festivais como os de Woodstock ou da Ilha de Wight. Estas festas permitiram que os músicos das bandas italianas crescecem a cada troca de outras idéias. O público começara a conhecer as novas bandas dessa maneira e as novas tendências iam surgindo. As pessoas que costumavam ir para os shows estavam muito interessadas e “ativas” (por vezes demasiadamente “ativas”!). Beppe Crovella o tecladista do Arti & Mestieri declarou:  Nos anos setenta tivemos a idéia básica nascida espontaneamente de que éramos um “bloco grande”. Todo mundo era como em um comboio na estrada, literalmente, mas também figurativamente no sentido de um movimento criativo, positivo e em perene mudança com uma certa cumplicidade entre todos os elementos previamente indicados. Os artistas usavam isso para criar mantendo em sua mente o mundo em torno deles e do público não bastava ir para as performances para “assistir” aos concertos. Eles costumavam se sentir como uma parte dos acontecimentos não apenas como espectadores passivos. Os jornalistas e as rádios estavam indo todos na mesma direção e houve uma compacidade significativa. Donald violinista do Quella Vecchia Locanda comentou:  Foi um período exaltante. Houve muita criatividade estamos habituados a compartilhar novas idéias, fomos espalhando as sementes de um novo gênero de música. Nos concertos mais importantes de todas as bandas estavamos juntos não havia senso de competição mas um senso de cooperação. Claudio Rocchi baixista do Stormy Six tambem cantor e compositor ligado ao movimento prog comentou:  Naqueles anos não havia apenas uma música progressiva mas havia também uma tensão progressiva da vida, da sociedade, do sistema, de relações que fizeram com que a temporada fosse compartilhada por milhares de meninos e meninas em um movimento para acompanhar os festivais … Naqueles anos os sinais costumavam vir não como uma forma cultural ou musical, mas como uma nova forma de vida, como um esquema de referência, como um paradigma existencial. De 1971 a 1977 na Itália um grande número de álbuns foram lançados no estilo progressivo muito mais do que o mercado pôde absorver. Então as bandas não puderam sobreviver por muito tempo em uma cena musical onde era também quase impossível ganhar dinheiro com os shows por causa da falta de profissionalismo de muitos gestores e por causa de problemas com a “segurança pública”. É por isso que muitos grupos se desfizeram após o lançamento de apenas um ou dois álbuns e  é a razão para tantos “one-shots”  na cena Italianprog.

No início dos anos setenta a sociedade italiana estava passando por um período de profunda crise e turbulência socio-politica. Desde 1968 os estudantes se manifestavam e greves de trabalhadores dos sindicatos e motins foram se tornando mais e mais violentos. “A Itália foi envenenado pela intolerância. A violência conformista e maciça da ala esquerda,  a força dos estudantes e trabalhadores foi contra balanceada pela violência das minorias fascistas que se tornaram exaltadas ao paroxismo. “As formas violentas de ação se tornaram mais e mais brutais especialmente nas lutas físicas entre a parte radical da ala esquerda e a parte radical da direita determinando a criação por ambas as partes da ordem de serviços de segurança com treinamento militar e crescente autonomia das instâncias políticas dos movimentos que eram seus pontos de referência. O resultado foi uma espiral crescente de recíprocos atos violentos com um crescente número de emboscadas e violência muitas vezes levando a conseqüências fatais. A escalada dos combates nas ruas entre os extremistas da esquerda e da ala direita e entre ambos e a polícia exacerbou a competição. Alguns extremistas se juntaram e executavam organizações clandestinas. Foi longa e triste a temporada  do terrorismo que marcou todos os anos setenta na Itália causando centenas de mortes a “brutalidade tornou-se um substituto da razão. Nesse meio tempo houve também o surgimento de “crimine comum” a difusão do uso de drogas pesadas entre os jovens, a proliferação de Máfia ‘Ndrangheta e Camorra, alguns escândalos políticos, a crise do sistema econômico agravado pelo aumento do preço da gasolina, as conseqüências da Guerra Fria, das parcelas (true e presumido) dos serviços secretos, os atentados, as matanças e a chamada “Strategia della tensione” a estratégia da tensão …

Eu não acho que este é o melhor lugar onde para tentar explicar “gli anni di Piombo” “os anos de chumbo”, mas é normal que tal atmosfera teve uma profunda influência também sobre o  jovem comprometido com a cena do rock progressivo. Vittorio Nocenzi disse:  Foi uma década peculiar, tão rica, que estaria me limitando em apenas falar de uma coisa só. Eu deveria falar mais propriamente de um mosaico, um quebra-cabeças, um labirinto grande feito de grandes avenidas e vielas estreitas, de horizontes para alcançar executando o que parecia tão perto e de repente estavam escondidos por estarem próximos do nada. Foi um período de grande utopia em geral, incrível, mas não para comemorar de uma forma nostálgica porque o futuro é mais precioso que o passado se você olhar para ele com os olhos encharcados de desejo. Outra coisa é o passado se você olhar para ele como uma lição para aprender, neste caso você tem que mantê-lo em sua mente. Canções foram usadas para refletir os tempos apesar da violência onipresente nas ruas, as letras da cena progressiva italiana nunca são triviais e às vezes a música é tão doce a parecer surreal. Apenas alguns exemplos: (poesia di un Delitto)” de I Giganti um álbum inteiro inspirada por um assassinato da Mafia e “Canto nomade por un prigioniero político” do Banco del Mutuo Soccorso inspirada pela morte de Salvador Allende durante o golpe de 1973 no Chile … Vittorio Nocenzi disse:  Eesses anos que você usou para ficar completamente envolvido no que você estava fazendo sem cálculos de outras naturezas. Eu não sei se isso era verdade para todos mas para nós do BMS era verdade e ainda é hoje. Muitas vezes na música desse período você pode respirar o vento da mudança mas também a necessidade de fugir da realidade. Bem nem todas as letras estavam no mesmo alto nível poético é claro mas de uma forma ou de outra o movimento do rock progressivo italiano era a expressão de um compromisso artístico e social e deu voz a toda uma geração. Nunca foi apenas puro e simples entretenimento. Claudio Canali cantor e flautista do biglietto per l lnferno comentou : Nossas músicas eram o nosso caminho talvez em provincianismo em viver o protesto … Preferiramos perfeitamente a competição contra a sociedade do consumismo, da hipocrisia e do materialismo que estava crescendo no mundo ocidental.

A contraposição política na Itália foi tão forte que a cena musical italiana não pôde deixar de ficar profundamente influenciada por esta atmosfera. A ala esquerda era dominante no campo da música graças à organização de concertos e as ligações entre algumas bandas e os movimentos de protesto dos estudantes. Ir a um concerto nos anos setenta era considerado como sendo um ato político e você tinha que tomar posições precisas e resolutas. Além disso houve a tendência de julgar os artistas não pela qualidade de sua música mas sim com base em critérios ideológicos e as bandas que não foram politicamente envolvidas ou cujo compromisso não foi claro eram freqüentemente atacadas. As bandas mais engajadas e militantes foram: Area, Stormy Six e Osanna. Osanna que inseriu um fragmento do hino comunista “Bandiera rossa” no “Trem Mirror” seu álbum de estréia. Lino Vairetti o tecladista e vocal do Osanna disse: Eramos todos  partidários da ala esquerda, exceto Elio D’Anna que apoiou a ala direita. Enfim Elio não era realmente um militante político que ele concordou em inserir esse hino no álbum desde que nossos fãs gostassem. As letras do Area foram extremamente comprometidas politicamente e também colocaram alguns símbolos revolucionários na capa de seu álbum de estréia a foice e o martelo e uma P38. Demetrio Stratos o vocalista do Area disse a partir de uma antiga entrevista:  eu questiono muitas bandas como PFM. Hoje em dia jogam bombas em Brescia e há ataques a bomba em trens, acho que é bastante estúpido que fassam tal tipo de música como “Dolcissima Maria”, é um absurdo! Nossa música é violenta porque há violência nas ruas. Para muitas pessoas o compromisso político era uma necessidade mas os artistas que não estavam interessados na política tiveram de enfrentar este problema. O PFM por exemplo tentou “surfar” a onda do movimento na Itália e perdeu a chance de alcançar o sucesso no exterior especialmente nos EUA onde eles não entendiam por que eles participaram de um pro concerto  pouco antes do lançamento de seu álbum chocolate kings e de uma turnê agendada nos EUA. Não obstante o compromisso político do PFM nunca foi explícito, Mauro Pagani era o membro que mais tinha contato com o movimento de esquerda e a banda participou de vários festivais organizados pela ala esquerda mas sempre sem uma ligação direta com os grupos extra-parlamentares. Devido a esta indecisão e pela atenção que a banda costumava pagar às estratégias de mercado o PFM não conseguiu muito apoio.

Seria errado no entanto pensar que toda a cena italiana dos anos
setenta foi a expressão de apenas uma parte política. Havia muitas bandas que vagavam com a corrente apenas seguindo a moda. Giuseppe “Baffo” Banfi o tecladista de biglietto per l’ Inferno comentou:  Acima de tudo estavamos interessados em tocar a nossa música. Esses anos foram os anos de protesto, nos festivais pop havia uma impressão de esquerda e estamos habituados a essa respiração. Mas não nos sentimos particularmente envolvidos em uma base política. Outras bandas preferiam manter-se neutras e sofriam críticas ferozes como o Le Orme. Toni Pagliuca comentou: Nós nunca professamos nenhuma fé política. Nunca me envolvi com qualquer partido político embora soubéssemos que os artistas italianos costumavam ter uma preferência para a ala esquerda e estávamos proximos das mesmas necessidades. Por exemplo, no nosso álbum “Contrappunti” na canção “Maggio” observamos que Cristo e Marx estiveram de alguma forma no mesmo nível. Nas músicas que usamos para lidar com a prostituição e o aborto me lembro que eu fui acusado de “moralismo”. Hoje eu continuo satisfeito porque atualmente está faltando qualquer sentido de moralidade. Ficamos muito moralista de fato e eu ainda estou orgulhoso disso. Claudio Simonetti o tecladista do Goblin disse:  Lembro-me  que aqueles anos foram fortemente marcado por questões políticas, por todos os efeitos após 1968 embora eu nunca estivesse interessado na política por razões éticas. Muitos artistas usaram a política para promover os seus trabalhos e achei isso muito preocupante. Eu nunca tive uma tendência política. Os músicos não devem ser como todos os outros e não devem ser “empurrados” por políticos.

De qualquer forma os artistas que não tomaram uma posição para receber duras críticas pelos militantes e mesmo assim foram penalizados como no caso de Il Volo, uma banda que colaborou com o cantor e compositor Lucio Battisti e o letrista Mogol que foram acusados de apoiarem a ala direita (embora isso não fosse verdade). Alberto Radius o guitarrista do Fórmula 3 e Volo Il comentou:  Os críticos nesse período foram fortemente influenciados por ideologias políticas: Bertoncelli, Massarini Giaccio eram todos excelentes críticos mas militantes. Segundo eles Mogol era um fascista e Lucio usado para fazer a saudação romana assim eles eram constantemente criticados. E depois tinham de expiar sua culpa mais grave de acordo com os críticos militantes da ala esquerda: eles se tornaram bilionários. As coisas foram ainda piores para o Museo Rosenbach uma banda que foi abertamente acusada de fascismo e praticamente forçada a deixar a cena por causa da capa de seu álbum  “Zaratustra” e por causa de suas letras inspiradas no filósofo Friederich Nietzsche. Alberto Moreno o baixista do Museo Rosenbach comentou:  Os anos setenta foram extremamente politizados mas estas questões foram o próprio negócio dos membros individuais da banda. O Museo Rosenbach como grupo foi utilizado para seguir apenas um caminho musical. Estávamos cientes do compromisso dos partidarios esquerdistas, nunca pensamos em contrapontos e em compromisso com a direita … O rosto de Mussolini na capa do álbum foi uma escolha do designer de arte. As referências a Nietzsche eram uma parte importante da nossa mensagem. Na capa do álbum original nós tentamos mostrar que não se deve interpretar Nietzsche como um dos inspiradores do nazismo como se costumava fazer naqueles anos. Nós costumávamos ler o filósofo de uma maneira mais “suave” sem quaisquer interpretações forçadas. Infelizmente nossa explicação não foi compreendida e percebemos que as imagens são mais importantes que palavras. Admito que o negro da capa e o busto de Mussolini não nos ajudou.

Como eu disse antes o Rock Progressivo italiano foi uma das vozes de toda uma geração, não só dos jovens que faziam parte dos movimentos políticos da ala esquerda italiana mas foi apreciado e praticado também pelos jovens da ala direita embora com mais dificuldades. Marcello Vento baterista do Alberomotore e del Lazio Canzoniere:  Uma vez chamaram-nos para tocar em Turim assim que chegamos percebemos que as bandeiras no palco eram de uma cor diferente do que as que usamos para tocar. Foi um festival organizado pela “Fronte della Gioventù” (um movimento de direita) então nos voltamos para trás e fomos para Roma. Eles adoraram nossa música mas costumavam ser exigentes e intransigentes ao mesmo tempo. Na verdade haviam também bandas com tendências políticas de direita como Janus ou Compagnia La dell’Anello mas eles não obteram qualquer impacto comercial em tudo e eles tiveram que operar em condições quase “clandestinas”. Mario Bortoluzzi o vocal de La Compagnia dell’Anello disse:  Em 1974 fomos apanhados pelo desejo irreprimível de pegar uma guitarra nas mãos e cantar a vida do nosso povo que diariamente resistiu à “violência vermelha” nas escolas, nas ruas e nos locais de trabalho. Ninguém costumava cantar para os excluídos: o fizemos com meios inexistentes mas com raiva e alegria. Grande parte dos músicos eram como agora comprometidos com a ala esquerda. Eles foram empurrados pelas etiquetas. Tudo o que precisavamos era de um gravador, uma cave, onde a ensaiar e gravar nossas músicas e o produto foi imediatamente distribuídos por uma rede semi clandestina composta por amigos e amigos de amigos. Nosso objetivo era (e ainda é hoje) além de todas as possibilidades de uso comercial do produto dando voz a um sentimento comum para a alma de um mundo que de outra forma seria viver sem alguém expressar na música suas esperanças e desejos, ideais e sonhos. No começo os meios técnicos foram bastante pobres apesar de terem sido apoiados por um entusiasmo incrível e contagiante. À medida que  o profissionalismo aumentava e a disponibilidade de uma melhora  a qualidade dos produtos da música alternativa aumentava. A necessidade de expressar uma visão espiritual da vida no momento do testemunho puro e simples. Desde então La Compagnia dell’Anello (e muitas outras bandas do movimento musical da asa direita) começou a se tornar algo que você pode ouvir também fora do “gueto”. Conforme o tempo passava os novos membros estavam com musicalidade sólida ligada à formação original … Nosso trabalho é apoiado por três gerações de amigos que continuam a cantar as nossas músicas em toda a Itália e tudo isso sem passar na televisão.

Uma das características da cena musical italiana dos anos setenta infelizmente não seduzia a todos, consistia na delicada situação da segurança pública em shows de rock. Gritando “Riprendiamoci la musica” (Vamos dar a volta a música) grupos de pessoas exaltadas (gritando “autoriduttori”) para reivindicar o direito de assistir a concertos de rock sem pagar o bilhete de entrada. Eles acabavam constantemente em conflito e luta contra os gestores que organizavam os shows e com a polícia. “A situação explodiu finalmente no 05 de junho de 1971 no” Velodromo Vigorelli “no Milan. Naquela noite o Led Zeppelin estava tocando lá mas o principal  de isso  acontecer foi que houve a ruptura entre parte do “público” e a polícia… A tensão aumentou dramaticamente em 1973. Uma espiral de violência envolveu shows de rock durante dois anos. Por um lado milhares de jovens contra os gerentes do outro lado os policiais. Em 17 de março em Bolonha manifestantes acaboram  ateando fogo ao “Palasport” onde um show do Jethro Tull havia sido organizado. Em 1974 a visita do Soft Machine foi marcada por graves distúrbios em Reggio Emilia e em Nápoles. Os motins continuaram forçando o gerente a desistir depois de uma “guerrilha urbana” autêntica em 02 de abril. O ato final  havia sido tocado um ano mais tarde durante um concerto de Lou Reed em Roma organizado pelo gerente David Zard, a batalha entre extremistas e policiais se alastrou até 2 da manhã.

Havia problemas em quase todos os concertos não só para aqueles das bandas mais importantes e por esta razão as performances ao vivo das bandas italianas não eram muito rentáveis (e muitas vezes perigoso). Lino Vairetti comentou: Em Casale Monferrato em 1972 fomos assediados por um grupo desenfreado e competidor que gritava “Queremos música de graça” nos atacaram e os funcionários da organização chamando-os de fascistas empunhando cabos de madeira e ferro desencadeando uma ação violenta contra nós e nosso carro. Tinham como alvo Elio que poderia ter morrido mas felizmente escapou … Em 1978 durante a turnê do Suddance quase todos os nossos concertos foram cancelados. Por causa do seqüestro de Aldo Moro, havia muitos pontos de checagem nas estradas de todo o país que era controlada muitas vezes pela polícia. Rodolfo Maltese o guitarrista do Banco del Mutuo Soccorso comentou:  No “Palasprt” de Nápoles um dos nossos técnicos foi ferido e houve um início de confronto físico entre nós e o público. Entre o público havia falanges que não tinham qualquer motivo mas utilizaram isso para só para criar problemas em cada concerto … Alguns começaram a não alugar teatros devido ao risco de motins e danos. Corrado Rustici guitarrista de Cervello e Nova comentou:  Eles usaram para atacar você, se você se atrevesse a pedir dinheiro, eu me lembro que uma vez me tranquei no meu Volkswagen van tentando abrigo de algumas pessoas exaltadas. Eu era um estudante em uma escola de arte em Nápoles na  Academia de Belle Arti juntamente com outros músicos. De vez em quando alguns grupos de direita costumavam vir e direcionados aos rapazes com cabelos longos como eu e nos atacavam. Da escola para shows onde eu geralmente encontrava pessoas da ala esquerda que agiam da mesma forma exigindo música de graça … Eu não gosto da atmosfera que você poderia encontrar na Itália naquele período, aquilo não tinha nada para compartilhar com a música e eu acho que as pessoas que amavam a música começaram a se sentir fartos dos tumultos habituais e dos combates. Você não tinha escolha senão tomasse partido como o Area.

Na verdade ninguém foi isento de críticas e problemas nem mesmo bandas como Área e GFP ou singer-songwriters comprometidos com a ala esquerda como: Eugenio Finardi, Francesco Guccini ou Francesco De Gregori. Patrizio Fariselli o tecladista do Área comentou:  Alguém espalhou a estranha idéia de que a música pertencia a todos e por esta razão deve ser de graça. As pessoas que fizeram da música o seu trabalho de acordo com esta idéia tem que tocar sem qualquer remuneração por isso o suposto direito à alegria e diversão de uma vida de arte e amor … Quem ousou contribuir significativamente para a nossa sobrevivência era o PCI (Partido Comunista Italiano) com os festivais da UNITA. Sem isso seria o fim. Nos concertos houve muitas vezes entre o público aqueles que queriam pular do palco para improvisar discursos políticos sobre os temas mais díspares. Mesmo na ala esquerda havia sempre alguém “mais à esquerda” que ousou contestar e em 1976 uma grande quantidade de pessoas começaram a se sentir cansadas. Em 02 de abril de 1976 no “Palalido” em Milão após o concerto do cantor e compositor comprometido com a asa esquerda Francesco De Gregori, algumas pessoas exaltadas chegaram ao ponto de entrar nos bastidores e levaram o artista a voltar para o palco para julgá-lo porque “ele não era suficientemente ativo na ala esquerda”. Então em junho durante o último festival de Parco Lambro em Milão todas as contradições dos movimentos de protesto explodiram levando a atos de violência sem rumo desperdiçando o que deveria ter sido apenas uma festa para a juventude cheia de música e alegria. A temporada de rock progressivo na Itália foi chegando ao fim. Para muitas bandas essa atmosfera de violência iminente durante os shows foi um dos principais motivos para desistir de sua experiência musical. Este é o caso por exemplo de De De Lind e Metamorfosi. Eddy Lorigiola o baixista de De De Lind disse:  Fizemos as nossas mentes por unanimidade. Havia muitas razões na base desta decisão mas dois eram os mais importantes. O primeiro foi o roubo de todos os nossos instrumentos o segundo foi um ataque contra nós no final de um concerto quando nós encontramos a nossa van completamente destruida. Olhamos um para o outro nos olhos e nós concordamos que a única solução seria parar. Davide “Jimmy” Spitaleri e Enrico Olivieri, respectivamente vocalista e tecladista de Metamorfosi disseram:  Havia muitas razões para a nossa decisão … Houve problemas pessoais, problemas de orçamento, mas acima de tudo estávamos no final da temporada mágica de concertos dos anos setenta … Acima de tudo a crise dos concertos, porque para nós aquilo era a nossa vida. Tudo somado, após o lançamento de um álbum o que você tem que fazer? Ficar em casa só esperando? Você tem que continuar a tocar, crescer como músico. A impossibilidade de regulares apresentações ao vivo foi uma causa importante do declínio do movimento progressivo italiano uma vez que o dinheiro vindo de concertos e álbuns não era suficiente para uma carreira profissional.

Algo estava mudando e a Idade de Ouro do Rock progressivo italiano estava em declínio mas é difícil dizer exatamente quando tudo acabou. Quais foram as razões desta “inversão de tendências”? Vittorio Nocenzi disse:   Eu estou preocupado, os principais motivos foram os loops eletrônicos e uma nova profissão. O advento do D.J. para atuar como artistas pois antes eles eram apenas programadores de som. Isso aconteceu exatamente em 1977. Na minha opnião o nosso melhor disco foi um álbum intencionalmente contra a corrente e não bem-sucedido em tudo. Dois anos de trabalho quase desapareceram, embora eu me lembre de alguns shows maravilhosos em Verona e Milan. Esse foi o pior momento para este gênero de música provavelmente porque o “inconsciente coletivo” se lembrou do estado de medo causada pelo terrorismo de ambas as alas extremas. As letras e as músicas eram como o sal nas feridas ainda demasiado frescas. Desde então a música começou a se tornar apenas puro entretenimento e o interesse do público acompanhou apenas o compromisso dos singer-songwriters que abandonaram as bandas. De fato para os gestores era mais simples e mais barato organizar shows com cantores e compositores que costumavam realizar shows apenas com uma guitarra acústica e voz. No entanto na Itália não foi o punk que causou a queda do rock progressivo como na Grã-Bretanha. Franz Di Cioccio comentou:  Não, o fim do progressivo não veio do punk. O Punk não é senão outra corrente musical que surgiu. O fim do rock progressivo é uma involução no traje social onde a música foi considerada novamente apenas como um produto para consumir rapidamente. Gostos tinham mudado e agora o progressivo é novamente uma música com o seu próprio público mais ou menos como o jazz. Muitas graças para alguns grandes artistas quee crescem no gosto do público. Álbuns progressivos eram complexos e longo prazo e costumava  ser nessessario muitas audições para ser apreciados, hoje em dia com o aumento das estações de rádio as coisas mudaram. Rádios livres começaram a se espalhar na década de setenta  e tornaram-se muito importantes na década de oitenta e têm levado a uma forma mais curta de música que pode ser proposta e absorvida de forma mais rápida. O punk é um tipo de música com um germe diferente de rebeldia que o progressivo, apesar de tudo cada geração tem sua própria maneira de se comunicar. A forma musical do punk não levou ao fim do progressivo na italia.

Muitos artistas abandonaram o rock progressivo para sobreviver no mundo da música migrando para gêneros mais comerciais ou para colocar a sua experiência ao serviço de outros artistas (por exemplo, Corrado Rustici tornou-se o produtor de alguns álbuns muito bem sucedidos de Zucchero enquanto Michele Zarrillo o guitarrista e cantor de Semiramis e Rovescio Il della Medaglia tornou-se um cantor de sucessos melódicos). Alguém voltou-se para a música disco como Alan Sorrenti, outros tentaram sofisticados álbuns pop como Matia Bazar uma banda que surgiu das cinzas do Museo Rosenbach e Jet. Giancarlo Golzi baterista do Museo Rosenbach e Bazar Matia disse:  Como foi que chegamos a desviar do rock progressivo do Museo Rosenbach para o pop de Matia Bazar? Foi uma escolha quase obrigatoria. Graças ao progressivo tocamos tudo o que queríamos: muitos de nós tinhamos praticamente passado toda a adolescência em um porão para ensaiar para melhorar a musicalidade tentando absorver a grande lição que veio da Grã-Bretanha nesse período. De repente percebemos que estávamos imitando coisas que não pertenciam a nós e sentimos a necessidade de criar algo original. Algum sucesso chegou a produzir filhos para uma série de desenhos animados vindos do Japão,  Vince Tempera (tecladista do Il Volo) e Tavolazzi Ares (baixista do Área). Vince Tempera comentou:  Começamos a trabalhar com base em uma pesquisa de mercado tentando liberar uma música easy listening para adultos e crianças. Lançamos Ufo Robot e foi incrivelmente bem sucedido atingindo os gráficos de primeira linha. Quanto aos líderes de bandas do movimento progressivo; em 1979 PFM fez uma turnê muito bem sucedida com o cantor e compositor Fabrizio De André reorganizando suas canções (um álbum maravilhoso ao vivo que foi lançado após a tour) em seguida tentou produzir um tipo de música mais direta e mais simples. Le Orme foi completamente contra a corrente e em 1979 lançou “Florian” um álbum acústico maravilhoso inspirado pela música clássica mas depois que eles tiveram de aceitar um compromisso com o pop que levou a resultados decepcionantes. Banco del Mutuo Soccorso encurtou seu nome para Banco e tentou tocar um pop de qualidade original. Vittorio Nocenzi disse:  Foi muito difícil para mim voltar a partir das composições complexas que foram inspiradas pela música clássica do século XIX (mini-suite) para a síntese de curtas canções pop. Por exemplo para mim escrever “Paolo Pa” foi mais difícil do que escrever “Il giardino del mago”. No entanto teria sido mais fácil para nós continuarmos a andar pelos caminhos antigos que enfrentar este novo desafio tentando escrever canções pop com um excelente padrão de qualidade. Talvez o único protagonista da “era progressista” que foi capaz de atualizar o seu estilo e chegar a excelentes resultados comerciais nos anos oitenta sem renegar completamente o progressivo  foi Franco Battiato que lançou alguns álbuns muito originais como “La voce del padrone” e “Fisiognomica”. Enfim em toda a Itália na década de oitenta foi definitivamente um deserto para a música progressiva um gênero que parecia quase desaparecer em um buraco negro nesse período.

Durante os anos oitenta na Itália não havia nenhuma música  comparável ao neo-prog de bandas como Marillion, Pallas ou IQ na Grã-Bretanha. Na Itália durante os anos oitenta O progressivo era escasso, um tipo de música para alguns fãs mais rígidos, quase que completamente ignorado pela mídia e gravadoras. As poucas bandas que tentaram manter vivo esse gênero como o Nuova Era tiveram muitos problemas para realizar seus projetos e arriscaram a ficar afogados em um mar de indiferença. Walter Pini o tecladista do Nuova Era comentou: Para mim o projeto de Nuova Era era é um desafio contra todas as pessoas que denegriram a década de setenta o prog e sons vintage. Na década de oitenta eles cuspiam na sua cara se você se atrevesse a dizer que você havia gostado do wha wha de uma guitarra ou de Hammond. Então algumas pessoas se desculparam quando esses sons voltaram a moda. Eu odeio aqueles que pensam que tudo sabem e acham que o vem depois é melhor do que o que veio antes. O Blues foi tocado para todas as idades da mesma maneira e ninguém diz que está ultrapassado e obsoleto enquanto muitos “poços de aprendizagem” usam a emitir sentenças e avaliações sobre o prog! Nossos sonhos eram como os sonhos de todo mundo:  ter sucesso e ganhar dinheiro tocando a nossa música, mas sabíamos que o nosso gênero era errado para isso. Teríamos nos sentido gratificados apenas por tocar em todo o mundo para os verdadeiros amantes do prog . Mas apesar de tudo posso dizer que as coisas não correram assim tão mau. Não nos tornamos estrelas mas mesmo assim tivemos um pouco de satisfação em tocar sem compromisso a música que amamos.

Algo mudou no início dos anos noventa e surgiu um novo interesse por este gênero de música engajada e complexa. Haviam algumas bandas novas que tentaram lidar com os temas e as sonoridades da era progressiva enquanto algumas bandas “históricas” rejeitavam a ferrugem do seu passado glorioso. Em 1994 eu me lembro de assistir um desempenho maravilhoso do Le Orme em promoção do seu álbum “Antologia 1970-1980” … O teatro estava lotado por um público entusiasmado. Após três horas de música os membros da banda estavam felizes assinando autógrafos e explicando a seus fãs que nunca quiseram parar, que sempre quiseram tocar suas músicas mas por muitos anos eles não conseguiram encontrar qualquer atenção por parte do mídia. O rock progressivo  de repente parecia nascer de novo. Desde então aconteram outros concertos e festivais, eu me lembro do “Progressive Festival Testaccio Village” em Roma em 1996 com Le Orme, BMS, Osanna, Metamorfosi, Balletto di Bronzo Il e uma banda nova chamada Divae … Felizmente muitos festivais e concertos prog se seguiram na Itália desde então com um bom sucesso. Bandas novas e velhas, os”dinossauros” ainda são capazes de lançar álbuns excelentes misturando novos sons e novas inspirações com ecos que vêm do passado, eles ainda são capazes de comunicar emoções realizando concertos com elevados padrões de qualidade. Atualmente o Rock Progressivo Italiano não é um fenômeno de massa e de gerações mas grandes fãs em todo o país parecem ser numerosos e capazes de mantê-lo vivo. Felizmente não há mais tumultos nos concertos nem ataques aos músicos e isso é um bom ponto em comparação com a década de setenta. Beppe Crovella disse: Também por muitas razões históricas há desilusão demais e menos entusiasmo e acima de tudo você tem a idéia de menos de um movimento cultural. Há menos atendimento coletivo e em comparação com o passado há mais dispersão e uma espécie de isolamento. No entanto existe uma criatividade contínua. Esta base efetiva e visível está olhando com confiança para o futuro. Na minha opinião há uma grande vitalidade e muitas coisas que ainda estão desaparecidas estão apenas esperando para florescer novamente. Hoje é mais simples porque há mais maneiras e meios de comunicação do que no passado mas por outro lado há um enorme risco de dispersão e isolamento.

Embora a cena presente do progressivo italiano esteja viva a mídia e os negócios de música parecem ignorar todas as suas potencialidades. Vittorio Nocenzi comentou:  Eles estão se esforçando para homologar e globalizar as preferências do público. Bem, talvez estas palavras são um pouco abusadas mas é a mais absoluta verdade, não há apenas um modelo que o negócio da música tenta impor a todos usando meios e estratégias de mercado não deixando muito espaço para algo que soe diferente. Ouso dizer que eles tentam evitar a diversidade como uma doença e conseqüentemente é muito difícil para produtores de gêneros de música diferente do mainstream. É o mesmo para o jazz por exemplo porque é uma linguagem musical que precisa de um conhecimento mais profundo e é mais difícil para o ouvinte absorver por isso geralmente é excluído pela maioria. No entanto também alguns fãs progressistas mereceriam ser colocados no Index porque eles são muito “nostálgicos” e vinculados exclusivamente às bandas da era de ouro enquanto eles não prestam atenção suficiente nas novas bandas como disseram os membros do Taproban comentando em uma entrevista:  É o mundo do rock progressivo que é indiferente para com ele. Então se há um bom trabalho para promove-los muitas vezes se perde na indiferença do movimento progressista em si! Rádio e TV são completamente indiferentes, alguns gerentes e produtores são apenas canalhas que se oferecem para os contratos de novas bandas que se assemelham a cordas penduradas, há pessoas que se prendem a compra de todos os re-lançamentos de Genesis ou Yes ignorando completamente grandes bandas como Finisterre, Moongarden, La Maschera di Cera, La Fonderia e muitos outros. Há coisas que parecem não ser capazes de mudança enquanto o tempo passa e a cena da vai se enchendo de pessoas desdenhosas. Para dizer a verdade vivemos nas fronteiras deste mundo, nós gostamos de fechar-nos em nosso estúdio e continuamos a tocar apenas pelo prazer de produzir música … como deveria ser sempre!

Eduardo Piloto

Anúncios

O que é Rock Progressivo

yes_1968Um estilo de música surgia no final da década de 60 na Inglaterra, o  Rock Progressivo, por vezes ambicioso em sua grandeza, bastante diferente daquilo que se conhecia até então, no inicio da década de 70 grandes marcos desse maravilhoso estilo já estavam estabelecidos, nascido de uma incrível variedade de influências músicais e artísticas, combinando Psicodelia, Rock, Jazz, Blues, Música Clássica e por vezes Música Folclórica. Disseminou-se rapidamente chegando a ter representantes praticamente em quase todos os países do mundo.
O Progressivo Sinfônico caracteriza-se pelos vocais melódicos, virtuosidade em seus teclados e bastante estruturado sobre a musica Clássica. Logo apareceram vários sub-gêneros tais como o Krautrock, o R.I.O., o Space Rock, o Neo Progressivo e até o Metal Progressivo.
Krautrock, termo politicamente incorreto que deu título a uma forma de música progressiva na Alemanha dos anos 70 com muita improvisação, bastante solto, duro, por vezes sinistro e levemente temperado.
R.I.O.(Rock In Oposition) nome nascido de uma expressão que era bastante utilizada pelo ex-baterista da banda Henry Cow, Chris Cutler, com letras muitas vezes politizadas e extruturas extremamente complexas.
Space Rock possui climas  grande energia acompanhada de solos com matizes psicodélicas.
Neo Progressivo, espécie de Rock Sinfônico contendo a complexidade do Progressivo Sinfonico de forma mais simples, surgido na Inglaterra na década de 80 o termo Neo Prog é utilizado para rotular qualquer banda que a partir daí que tenha feito musica mais acessível.

dream-theater-metal progressivoMetal Progressivo, influenciado pelo Rock Sinfônico possui extrutura mais complexa que o metal comum, tendo em suas formações músicos mais virtuósos.
Atualmente ocorrem diversos festivais espalhados pelo mundo, provando que o Rock Progressivo Continua a ser cultuado.

Eduardo Piloto