Nietzche

nietzscheFriedrich Nietzsche (1844-1900) foi um filósofo alemão do final do século 19 que desafiou os fundamentos do cristianismo e da moral tradicional. Ele estava interessado na melhoria da saúde individual e cultural e acredita na vida, na criatividade, o poder e as realidades do mundo em que vivemos mais que aqueles situados em um mundo além. Em sua filosofia o ponto cental é a idéia da “afirmação de vida” que envolve um questionamento honesto de todas as doutrinas que drenam expansivamente as energias da vida. Muitas vezes referido como um dos primeiros filósofos existencialistas juntamente com Søren Kierkegaard (1813-1855) a filosofia de Nietzsche inspirou figuras importantes em todas as esferas da vida cultural incluindo dançarinos, poetas, romancistas, pintores, psicólogos, filósofos, sociólogos, músicos e revolucionários.

1. Vida: 1844-1900

Na pequena aldeia alemã de Röcken bei Lützen localizada em uma área rural a sudoeste de Leipzig Friedrich Wilhelm Nietzsche nasceu ás 10:00 em 15 de outubro de 1844. A data coincidiu com o 49 º aniversário do Rei da Prússia Frederico Guilherme IV do qual Nietzsche recebeu o nome e que tinha sido responsável pela nomeação do pai de Nietzsche como ministro luterano da cidade de Röcken.

O Tio de Nietzsche e avós também eram ministros luteranos e seu avô paterno Friedrich August Ludwig Nietzsche (1756-1826) foi distinguido como um estudioso protestante que afirmava a “sobrevivência eterna do cristianismo”. Os Avós de Nietzsche de ambos os lados eram da Província da Saxônia com seu avô paterno, avó paterna (Dorothea Erdmuthe Krause 1778-1856), avô materno (David Ernst Ohler 1787-1859) e avó materna (Johanna Wilhelmine Elisabeth Hahn 1794-1876 ) tendo nascido, respectivamente nas pequenas cidades de Bibra (ao sul de Jena), Reichenbach (sudeste de Jena), Zeitz (entre Jena e Leipzig) e Wehlitz (a noroeste de Leipzig).

Quando Nietzsche tinha quase 5 anos de idade seu pai Karl Ludwig Nietzsche (1813-1849) morreu de uma doença no cérebro (30 de julho de 1849) e a morte do irmão de Nietzsche de dois anos de idade Ludwig Joseph traumaticamente seis meses depois (04 de janeiro de 1850). Tendo vivido a poucos metros da igreja de Röcken na casa reservada para o pastor e sua família, a família Nietzsche deixou sua casa logo após a morte de Karl Ludwig. Eles se mudaram para perto de Naumburg an der Saale onde Nietzsche (chamado de “Fritz” por sua família) vivia com sua mãe Franziska (1826-1897), sua avó Erdmuthe, duas irmãs Auguste e Rosalie (m. 1855 e 1867, respectivamente) e sua irmã mais nova Therese Elisabeth Alexandra (1846-1935).

O jovem NietzscheEntre 14 e 19 anos (1858-1864) Nietzsche participou de um colégio interno de primeira linha o Schulpforta localizado a cerca de quatro quilômetros de sua casa em Naumburg onde se preparava para os estudos universitários. A atmosfera rígida de ensino se refletiu na sua longa história como um antigo mosteiro (1137-1540) com grandes edifícios e incluiu uma capela românica do século 12 e uma igreja gótica do século 13. No Schulpforta  um colégio cujo foi incluído o filósofo idealista alemão Johann Gottlieb Fichte (1762-1814), Nietzsche o conheceu em longa convivência, Paul Deussen (1845-1919) foi confirmado ao lado de Nietzsche em 1861 e que viria a ser um orientalista e historiador da filosofia e em 1911 o fundador da Sociedade Schopenhauer. Durante os verões em Naumburg Nietzsche levou uma música ao pequeno clube de literatura chamado “Germania” e tornou-se familiarizado com a música de Richard Wagner através da subscrição do clube para a Zeitschrift für Musik. O adolescente Nietzsche tambem leu os escritos românticos alemães de Friedrich Hölderlin e Jean-Paul Richter juntamente com (Das Leben Jesu kritisch bearbeitet 1848) de David Strauss
examinando-o Criticamente.

Após graduar-se em Schulpforta Nietzsche entrou na Universidade de Bonn em 1864 como estudante de teologia e filologia, seus interesses gravitariam em breve mais exclusivamente para a filologia uma disciplina que em seguida o fez centrado na interpretação de textos clássicos e bíblicos. Como estudante de filologia Nietzsche assistiu a palestras de Otto Jahn (1813-1869) e Friedrich Wilhelm Ritschl (1806-1876). Jahn foi um biógrafo de Mozart que havia estudado na Universidade de Berlim, Karl Lachmann (1793-1851) um filólogo conhecido por seus estudos sobre o filósofo romano Lucrécio ( 99-55 aC) e por ter desenvolvido a genealógica,  Ritschl foi um estudioso dos clássicos cuja obra foi centrada no poeta cômico romano Plautus (254-184 aC).

Foi inspirado por Ritschl a seguilo para a Universidade de Leipzig em 1865, uma instituição localizada mais próxima à cidade natal de Nietzsche  Naumburg, Nietzsche rapidamente estabeleceu sua reputação acadêmica através de seus ensaios publicados sobre dois poetas do século 6 º aC  Theognis e Simônides, bem como  Aristóteles. Em Leipzig ele desenvolveu uma estreita amizade com Erwin Rohde (1845-1898) um estudante de filologia e futuro companheiro Arthur Schopenhauerfilólogo com quem ele se corresponderia extensivamente nos últimos anos. Em 1865 aconteceu a descoberta acidental de Arthur Schopenhauer em O Mundo como Vontade e Representação (1818) em uma livraria local, ele tinha então 21anos. A visão atéia e turbulenta de Schopenhauer do mundo em conjunto com o seu grande elogio sobre música como uma forma de arte capturou a imaginação de Nietzsche, o “perfume cadavérico” de Schopenhauer lhe trouxe nova visão de mundo que continuou a permear o pensamento maduro de Nietzsche e passou a ser uma questão de debate acadêmico.

Em 1867 ao se aproximar dos 23 anos Nietzsche entrou em serviço militar obrigatório e foi designado para um regimento de artilharia de campo equestre perto de Naumburg no período em que vivia com sua mãe. Ao tentar montar em uma sela sofreu uma lesão torácica grave e foi colocado em licença médica. Voltou logo depois para a Universidade de Leipzig e em novembro de 1868 conheceu o compositor Richard Wagner (1813-1883) na casa de Hermann Brockhaus (1806-1877) um orientalista que foi casado com a irmã de Wagner Ottilie. Brockhaus, foi ele próprio um especialista em sânscrito e persa cujas publicações incluídas: uma edição de Sade Vendidad e um texto sobre a religião de Zoroastro cujo profeta era Zaratustra (Zoroastro)(1850).
Wagner e Nietzsche partilharam um entusiasmo por Schopenhauer, Nietzsche  tinha sido compositor ao piano, música de coral e orquestra desde que ele era um adolescente, Wagner ficou admirado por sua genialidade musical, personalidade magnética e influência cultural. Wagner tinha a mesma idade do pai de Nietzsche e ele também frequentou a Universidade de Leipzig muitos anos antes. A relação Nietzsche-Wagner era quase familiar e às vezes tempestuosa e isso afetou Nietzsche profundamente, escrita em 1869 que sua amizade com Wagner foi o “maior feito” (die größte Errungenschaft) de sua vida, quase vinte anos depois ele  ainda estaria avaliando o significado cultural de Wagner. Nesse ínterim um ano antes da morte de Wagner e uns bons sete anos antes de seu colapso o próprio Nietzsche já estava relembrando melancolicamente em 1882 sobre como os seus dias com Wagner tinham sido o melhor de sua vida. Durante os meses em torno da reunião inicial de Nietzsche com Wagner Ritschl havia recomendado Nietzsche para uma posição na faculdade de filologia clássica na Universidade de Basel. A universidade suíça ofereceu a Nietzsche a posição de professor e ele começou a ensinar em maio de 1869 com a idade de 24 anos.

Na Basiléia a satisfação de Nietzsche com a sua vida entre seus colegas de filologia era limitada e ele estabeleceu laços mais intelectuais com os historiadores Franz Overbeck (1837-1905) e Jacob Burkhardt (1818-1897) cujas aulas frequentou. Overbeck que dividira o dormitório por cinco anos na mesma casa com Nietzsche tornando-se amigo próximo de Nietzsche trocando muitas cartas com ele ao longo dos anos e correndo para a assistência de Nietzsche em Turim logo depois de sua queda devastadora em 1889. Nietzsche também cultivou sua amizade com Richard Wagner e o visitava muitas vezes em sua casa na Suíça em Tribschen uma pequena cidade perto de Lucerna. Surgiram ainda mais complicações, no serviço militar entre Agosto a Outubro de 1870 como assistente hospitalar aos 25 anos de idade durante a Guerra Franco-Prussiana (1870-71) onde participou no cerco de Metz. Ele testemunhou os efeitos traumáticos da batalha onde esteve cuidando de soldados feridos e contraiu difteria e disenteria.

Richard WagnerO entusiasmo de Nietzsche por Schopenhauer, seus estudos de filologia clássica, a inspiração de Wagner, sua leitura de Lange, seus interesses na área da saúde, sua necessidade profissional de se auto afirmar  como um jovem universitário e sua frustração com a cultura contemporânea alemã foram fatores que se uniram em seu primeiro livro, O Nascimento da Tragédia (1872) que foi publicado em janeiro de 1872 quando Nietzsche tinha 27 anos. Wagner havia regado o livro com louvor mas uma sarcástica e autoritária crítica por Ulrich von Wilamowitz-Möllendorff (1848-1931)  um estudioso que se tornou um dos principais filósofos da Alemanha umedeceu a reçepção do livro.

Wilamowitz-Möllendorff  veio de uma família aristocrática de ascendência polonesa distante era também um graduado da Schulpforta (1867). Em sua crítica ele se refere a Nietzsche como uma desgraça para Schulpforta, disse que à luz profética deste último com adivinhação exagerada e estilo historicamente desinformado de escrita e que Nietzsche deveria “reunir os tigres e panteras sobre os joelhos e não a juventude da Alemanha.” “É intrigante que em Assim Falou Zaratustra, escrito treze anos mais tarde Nietzsche invoca a imagem comparável de um leão  calorosamente aos os joelhos de Zaratustra na conclusão do livro e da cena inspiradora.

Como Nietzsche continuou a sua residência na Suíça entre 1872 e 1879 muitas vezes ele visitou Wagner em sua casa (1872) em Bayreuth Alemanha. Em 1873 ele conheceu Paul Rée (1849-1901), que viveu perto de Nietzsche em Sorrento durante o outono de 1876 onde iria escrever A Origem dos Sentimentos Morais (1877). Durante este tempo Nietzsche completou uma série de quatro estudos sobre a cultura alemã contemporânea, As observações fora de moda (1873-1876), que se concentram respectivamente no historiador da crítica de religião e cultura David Strauss e questões sobre o valor social da historiografia sobre Arthur Schopenhauer e  Richard Wagner, ambos inspirações como bravos heróicos para os novos padrões culturais.

Perto do fim da sua carreira universitária Nietzsche completou Humano demasiado humano (1878)  um livro que marca uma virada no seu estilo filosófico e que reforçando sua amizade com  Ree também termina sua amizade com  Wagner agora visto como anti-semita que vem sob o ataque em uma caracterização fina-disfarçada de “artista”. Apesar de os danos causados pela revisão desfavorável de O Nascimento da Tragédia Nietzsche permaneceu respeitado em sua posição de professor na Basileia mas com sua saúde se deteriorando, o que levou a enxaqueca, problemas de visão e vômitos, exigiu a sua demissão da universidade em junho de 1879 aos 34 anos. Neste ponto tinha sido professor universitário durante dez anos e tinha pouco menos de outros dez anos de vida intelectual produtiva restantes.

De 1880 até seu colapso em janeiro de 1889 Nietzsche levou uma vida errante  (“ter desistido de sua cidadania alemã, e não tendo adquirido a cidadania suíça”) circulando quase que anualmente entre a casa de sua mãe em Naumburg e bairros francêses, cidades suíças, alemãs e italianas. Suas viagens o levaram pela cidade à beira-mar de Nice no mediterranêo (durante os invernos), a aldeia alpina suíça de Sils-Maria (durante os verões, localizada perto da estância de esqui na atual St. Moritz) Leipzig (onde ele havia frequentado a universidade e tinha esperança de retomar sua carreira docente em 1883), Turim e Génova, Recoaro, Messina, Rapallo, Florença, Veneza e Roma nunca residiu em qualquer local por mais de alguns meses de cada vez.

Lou Salomé, Paul Ree e NietzcheEm uma visita a Roma em 1882 Nietzsche agora com a idade de 37 anos conheceu Lou von Salomé (1861-1937) de 21 anos de idade, mulher russa que estava estudando filosofia e teologia em Zurique. Ele rapidamente se apaixonou por ela. Eventualmente recusando-se a desenvolver seu relacionamento com Nietzsche em um nível romântico, o futuro da amizade de Nietzsche com ela e Paul Ree sofreu uma guinada para o pior,  Salomé e Rée deixaram Nietzsche e se mudaram para Berlim. Nos anos seguintes Salomé se tornaria  associada de Sigmund Freud e iria escrever sobre sua visão psicológica a respeito de sua associação com Nietzsche.

Estes anos foram nômades, ocasião das principais obras de Nietzsche entre os quais Alvorada (1881), A Gaia Ciência (1882/1887), Assim Falou Zarathustra (1883-1885), alem do bem e do mal (1886), e sobre a genealogia da Moral (1887). O Último ano de Nietzsche ativo foi 1888 com a conclusão do caso Wagner (maio-agosto 1888), Crepúsculo dos Ídolos (agosto-setembro de 1888), O Anticristo (Setembro 1888), Ecce Homo (outubro-novembro 1888) e Nietzsche Contra Wagner (dezembro 1888).

Na manhã de 03 de janeiro de 1889 enquanto em Turim Nietzsche sofreu um colapso mental que o deixou inválido para o resto de sua vida. Coincidentemente em praticamente na mesma data em 04 de janeiro seu irmão mais novo Joseph morreu muitos anos antes. Nietzsche ao testemunhar um cavalo sendo chicoteado por um cocheiro na Piazza Carlo Alberto jogou seus braços em volta do pescoço do cavalo e caiu na praça para nunca mais voltar à sanidade plena.

Alguns argumentam que Nietzsche sofria de uma infecção sifilítica (este foi o diagnóstico inicial dos médicos na Basileia e em Jena) contraida ou quando era um estudante ou enquanto ele estava servindo como um atendente de hospital durante a Guerra Franco-Prussiana, alguns afirmam que o uso de hidrato de cloral uma droga que ele estava usando como um sedativo minou seu sistema nervoso já enfraquecido, alguns especulam que o colapso de Nietzsche foi devido a uma doença cerebral que herdou de seu pai, alguns sustentam que uma doença mental gradualmente o levou a insanidade, alguns afirmam que ele sofria de um tumor de crescimento lento na base frontal do crânio, alguns afirmam que ele sofria de síndrome de CADASIL uma doença hereditária que causa acidente vascular cerebral. A causa exata da incapacidade de Nietzsche permanece obscura. Que ele tinha uma constituição extraordinariamente sensível nervosa e tomou uma variedade de medicamentos está bem documentado como fato geral. Para complicar as questões de interpretação Nietzsche afirma em uma carta de abril de 1888 que nunca teve qualquer sintoma de um distúrbio mental. Em contraste temos outra escrita a Paul Ree de 1897 diz que Nietzsche sempre foi desequilibrado.

Durante seus anos criativos Nietzsche se esforçou para trazer os seus escritos em impressão e nunca duvidou de que seus livros teriam um efeito duradouro culturalmente. Ele não viveu tempo suficiente para experimentar sua influência histórico-mundial mas ele teve um breve vislumbre de sua crescente importância intelectual na descoberta de que ele era o assunto em 1888 em palestras proferidas por Georg Brandes (Georg Morris Cohen) da Universidade de Copenhagen a quem ele dirigiu uma correspondência e de quem recebeu uma recomendação para ler as obras de Kierkegaard. No entanto o colapso de Nietzsche aconteceu logo depois.

Depois de uma breve internação hospitalar na Basileia ele passou 1889 em um sanatório em Jena na Clínica Binswanger, em março 1890 sua mãe o levou de volta para casa em Naumburg onde viveu sob os seus cuidados para os próximos sete anos na casa que ele conheceu enquanto éra jovem. Após a morte de sua mãe em 1897 sua irmã Elisabeth tendo retornado para a casa do Paraguai em 1893 onde ela vinha trabalhando desde 1886 com o marido Bernhard Förster para estabelecer uma colônia anti-semita alemã chamada “Nova Alemanha” (“Nueva Germania “)  assumiu a responsabilidade pelo bem-estar de Nietzsche. Em um esforço para promover a filosofia de seu irmão ela alugou o “Villa Silberblick” uma grande casa em Weimar e levou Nietzsche e seus manuscritos para sua Nietzsche já doente sendo visitado por Lou Saloméresidência. Esta se tornou a nova casa do Arquivo Nietzsche (que até então fôra estabelecido na casa da família durante os três anos anteriores) onde Elisabeth recebeu visitantes e amigos que queriam observar ajudando o filósofo agora incapacitado.

Em 25 de agosto de 1900 Nietzsche morreu na casa de campo quando ele se aproximava do seu ano 56 aparentemente de pneumonia em combinação com um acidente vascular cerebral. Seu corpo foi transportado para o túmulo da família junto à igreja em Röcken bei Lützen onde sua mãe e irmã agora também descansam. O Villa Silberblick acabou por ser transformado em um museu e desde 1950 os manuscritos de Nietzsche estão guardados em Weimar no Goethe-und Schiller-Archiv

2. Primeiros Escritos: 1872-1876

NietzscheO primeiro livro de Nietzsche foi publicado em 1872 e foi intitulado O Nascimento da Tragédia fora do Espírito da Música (Die Geburt Tragödie der der Musik aus dem Geiste). A atmosfera intelectual que estabelece uma alternativa para o entendimento no final do século 19 em relação a cultura grega, uma compreensão em grande parte inspirada pela História de Johann Winckelmann de Arte Antiga (1764) que fundada sobre a estética da escultura clássica da Grécia antiga como o epítome da simplicidade nobre, calma, grandeza e serenidade racional. Em 1886 o livro de Nietzsche foi relançado com um título revisto O Nascimento da Tragédia ou helenismo e pessimismo (Die Geburt der Tragödie, Oder: Griechentum und Pessimismus) juntamente com um prefácio lúcido e revelador, “uma tentativa de auto- crítica ” que expressa as próprias reflexões e críticas de Nietzsche sobre o livro olhando para trás quatorze anos. Embora ele obviamente tenha ficado orgulhoso do trabalho Nietzsche também o descreve como um livro questionável e estranho quase inacessível cheio de formulas de Kant e Schopenhauer que eram inerentemente em desacordo com as novas avaliações que ele estava tentando expressar.

Nietzsche por esta altura absorveu o romantismo alemão e a obra de Schopenhauer, concluiu que as forças não-racionais residem na base de toda a criatividade e da própria realidade, fortemente instintivo, selvagem, amoral, uma energia “dionisíaca” no pré-socrático da cultura grega como uma força essencialmente criativa e saudável. Analisando a história da cultura ocidental desde a época dos gregos Nietzsche lamenta sobre a forma como esta energia dionisíaca criativa havia sido submersa e enfraquecida e como ficou ofuscado pelo “apolíneo”e pelas forças da ordem lógica e sobriedade rígida. Ele conclui que a cultura européia desde o tempo de Sócrates manteve-se unilateralmente apolínea, engarrafada e relativamente quase saudável.

Como um meio para o renascimento cultural ele defende a ressurreição e completa libertação de energias artísticas dionisíacas, aquelas que ele associa com criatividade primordial, alegria na existência e verdade suprema. As sementes deste renascimento libertador Nietzsche percebe na música contemporânea alemã de seu tempo (ou seja, Bach, Beethoven e Wagner em especial)  na parte final de O Nascimento da Tragédia de fato o alemão emerge com espírito artístico, trágico como o potencial salvador da cultura europeia. Como em um de seus primeiros livros O Nascimento da Tragédia tem um forte sabor, os estudiosos divergem sobre a medida em que Nietzsche se afasta da dimensão “eternalistica” neste trabalho e em trabalhos posteriores.

Alguns consideram “Sobre Verdade e Mentira no Sentido amoral” (“Wahrheit Über Sinn und Lüge im außermoralischen”) como uma peça fundamental em seu pensamento, alguns acreditam que é um fragmento periférico, conflituoso e não-representativo. Neste ensaio Nietzsche rejeita a idéia de constâncias universais e reivindicações presumivelmente como uma verdade, que aquilo que chamamos “verdade” é apenas “um exército móvel de metáforas, metonímias e antropomorfismos”. Seu ponto de vista neste momento é que a arbitrariedade prevalece dentro da experiência humana, conceitos se originam através da transformação de estímulos nervosos em imagens, e “verdade” nada mais é do que a invenção de convenções fixas para fins práticos, especialmente as de segurança, repouso e consistência. Vendo a existência humana a partir de uma grande distância e de modo preocupante, Nietzsche observa ainda que houve uma eternidade antes dos seres humanos virem a existir e acredita que após a humanidade morrer nada significativo terá mudado no grande esquema das coisas.

Entre 1873 e 1876 Nietzsche escreveu as Observações fora de moda (Unzeitgemässe Betrachtungen). Estes são quatro (de um projeto nunca concluído) estudos sobre a qualidade das obras e especialmente a cultura alemã durante o tempo de Nietzsche na medida em que Nietzsche considerava o seu ponto de vista como crítico-cultural em tensão com o espírito de auto-congratulação dos tempos. Dentre os quatro estudos dois foram sobre David Strauss, o Confessor e o Escritor (David Strauss, der Bekenner und der Schriftsteller, 1873), Nos Usos e Desvantagens da História para a Vida (Vom Nutzen und der Historie Nachteil für das Leben, 1874), Schopenhauer como educador (Schopenhauer als Erzieher, 1874) e Richard Wagner em Bayreuth (1876).

NietzscheO primeiro desses ataques a David Strauss  é em popular edição de seis livros, O Velho e o Novo da Fé: A Confissão (1871)  para Nietzsche a atmosfera cultural geral na Alemanha. Respondendo à defesa de Strauss de uma “nova fé” baseada em um mecanismo cientificamente determinado universal, no entanto lubrificado “pelos otimistas óleos calmantes” do progresso histórico, Nietzsche critica a visão de Strauss como um sinal vulgar e triste da decadência cultural. O amigo de Nietzsche Overbeck nos seus escritos contemporâneos também adotou uma atitude crítica em relação a Strauss. A “meditação intempestiva” examina modos alternativos para escrever a História e discute como essas formas poderiam contribuir para a saúde de uma sociedade. As reivindicações de Nietzsche de que o princípio da “vida” é uma preocupação mais urgente e maior que a do “conhecimento” e que a busca pelo conhecimento deve servir os interesses da vida. Este paralelo como em O Nascimento da Tragédia Nietzsche olhou para a arte através de uma perspectiva de vida. Os estudos do terceiro e do quarto são sobre Schopenhauer e Wagner, respectivamente abordando esses dois pensadores como paradigmas de gênio filosófico e artístico têm o potencial de inspirar uma cultura forte, mais saudável para despertar o animo alemão. Estes estudos comemorativos sobre Schopenhauer e Wagner revelam uma característica recorrente do pensamento de Nietzsche, ele nos apresenta alguns dos maiores tipos de personagens, oferece diferentes modelos de personagens heróicos, com o o passar dos anos, com o ideal pelo qual viria a ter melhores leitores.

3. Período Médio-Obras: 1878-1882

Nietzsche completara Humano demasiado humano em 1878 ampliando este com uma segunda parte em 1879 diferentes opiniões e máximas (Vermischte Meinungen und Sprüche) e uma terceira parte em 1880 O Andarilho e sua Sombra (Der Wanderer und sein Schatten ). As três partes foram publicadas juntas em 1886 como Humano demasiado humano um livro para Espíritos Livres (Menschliches e Allzumenschliches, Ein Buch für freie Geister). Relutante em construir um “sistema” filosófico sensível à importância do estilo de escrita filosófica, Nietzsche compos estas obras como uma série de centenas de aforismos cujo comprimento varia de uma ou duas linhas a uma ou duas páginas. Aqui ele muitas vezes reflete sobre os fenômenos culturais e psicológicos em referência às constituições dos indivíduos orgânicos e fisiológicos. A idéia de poder (para o qual ele mais tarde se tornaria conhecido) esporadicamente aparece como um princípio explicativo, mas Nietzsche tende neste momento a explorar considerações hedonistas do prazer e da dor em suas explicações de fenômenos culturais e psicológicos. Fazendo  duras críticas ao hedonismo e utilitarismo em trabalhos posteriores (por exemplo Assim Falou Zaratustra “o último homem”), Humano-demasiado-humano aparece para muitos leitores como um trabalho atípico, mais ciência do que arte inspirada em a sua abordagem para a saúde onde Nietzsche estava lutando para se libertar do feitiço de Wagner e que não incorporam plenamente a dor e poder de abordagem centrada no que ele desenvolveu mais tarde.

friedrich-nietzscheEm Alvorada: Reflexões sobre preconceitos morais (Gedanken über die Morgenröte. moralischen Vorurteile, 1881) Nietzsche continua escrevendo em seu estilo aforístico mas ele marca um novo começo acentuando em oposição ao prazer a importância da “sensação de poder” em seu entendimento do ser humano e especialmente do chamado comportamento “moral”. Sempre sendo  interessado na natureza da saúde suas referências emergentes para seus primeiros esforços para descobrir o segredo da saúde dos antigos gregos o que acreditava ser”excepcional que tinha considerado os efeitos de como” (ou seja um concurso, tal como concebido em seu ensaio de 1872, “Concurso de Homero”) permearam suas atitudes culturais. A este respeito Alvorada contém as sementes da doutrina de Nietzsche sobre a “vontade de poder” uma doutrina que aparece explicitamente pela primeira vez dois anos depois em Assim falou Zaratustra (1883-1885). Alvorada é também um dos livros mais claros de Nietzsche, mais calmo intelectualmente e mais íntimo fornecendo muitas idéias socio-psicológicas em conjunto com algumas de suas primeiras  reflexões críticas sobre a relatividade cultural na base de avaliações morais cristãs. Neste livro ele observa retrospectivamente em Ecce Homo (1888) – Nietzsche começa sua “cruzada contra a moralidade.”

Em um trabalho mais conhecido, A Gaia Ciência (Die fröhliche Wissenschaft, 1882)  cujo título foi inspirado nas canções dos trovadores do sul da franca Provence (1100-1300) – Nietzsche apresenta algumas das idéias existenciais para as quais ele tornou-se famoso ou seja a proclamação de que “Deus está morto” e a doutrina do eterno retorno, uma doutrina que atende a forma como as pessoas de diferentes níveis de saúde são propensos a reagir à perspectiva de renascer, para repetir a experiência da vida exatamente como antes em cada seqüência prazerosa e dolorosa. O ateísmo de Nietzsche, sua conta de “assassinato de Deus” é uma reação à concepção de uma única autoridade, último julgamento que está a par de segredos escondidos e pessoalmente constrangedor de todos. Seu ateísmo também pretende redirecionar a atenção das pessoas à sua liberdade inerente ao mundo existente e longe de escapistas que aliviam a dor em outros mundos celestiais.

A doutrina de Nietzsche do eterno retorno  serve para desviar a atenção de todos os outros mundos que não aquele em que vivemos no presente, pois o eterno retorno exclui a possibilidade de qualquer fuga final do mundo atual. A doutrina também funciona como uma medida para avaliar a força geral de alguém psicológicamente e mentalmente, desde que Nietzsche acreditou que a doutrina do eterno retorno é mais difícil que afirmar a visão de mundo. Existem algumas diferenças de opinião científica sobre o que pretende Nietzsche principalmente nessa doutrina para descrever uma teoria metafísica séria ou se ele está oferecendo apenas uma maneira de interpretar o mundo que se aprovada terapeuticamente como um mito psicologicamente saudável pode ajudar a nos tornar mais fortes.Em 1887 gaia ciência foi relançado com um importante prefácio, um livro adicional  e um apêndice de músicas que lembram os trovadores.

4. Mais tarde-Obras: 1883-1887

NietzcheAssim Falou Zaratustra um livro para todos e para ninguem (Also Sprach Zarathustra, Ein Buch für Alle und keinen, 1883-1885), é uma das mais famosas obras de Nietzsche e Nietzsche considerou como entre os seus mais significativos. É um manifesto de auto-superação pessoal e um guia para os outros, para o mesmo fim revitalizante. Trinta anos após a sua publicação inicial 150.000 exemplares da obra foram impressos pelo governo alemão e publicado como leitura inspiradora junto com a Bíblia para os jovens soldados durante a Primeira Guerra Mundial. Apesar de Assim Falou Zaratustra ser antagônico à doutrina judaico-cristã seu estilo poético e profético depende muitas vezes de sentidos invertidos fazendo alusões ao Antigo e Novo Testamento. Nietzsche também recheou o trabalho com metáforas da natureza quase no espírito da filosofia pré-socrática naturalista que invoca animais, terra, ar, fogo, água, corpos celestes, plantas, tudo a serviço de descrever o desenvolvimento espiritual de Zaratustra, um solitário, reflexivo, extremamente obstinado, o sábio-como a voz rindo e dançando de seu heróico auto-domínio acompanhado por orgulho, forte de olhos de águia e uma serpente sábia, prevê um modo de ser psicologicamente saudável além da condição humana comum . Nietzsche se refere a este modo de ser maior como “sobre-humano” (übermenschlich) e associa a doutrina do eterno retorno a  uma doutrina apenas mais saudável que pode amar a vida em sua totalidade com este ponto de vista espiritual em relação ao qual todos os demais muitas vezes abatidos, todos-demasiado-humanos-comuns e suas atitudes permanecem como uma mera ponte a ser atravessada e superada.

Assim Falou Zaratustra tem um lugar controverso, principalmente devido ao seu estilo completamente literário. Nietzsche fala em parábolas e narrativas curtas povoadas por personagens de ficção, “o corcunda”, “o homem mais feio”, “o adivinho”, “o santo”, “o equilibrista”, “o bobo da corte”, e “o último homem, “para citar alguns, deixando suas mensagens inerentes abrirem a uma variedade de interpretações. Uma das figuras mais conhecidas e moralmente perturbadoras de Nietzsche o super-humano também aparece substancialmente apenas neste trabalho tornando-o questionável para alguns intérpretes se este é o ideal de significado futuro da Terra e de fato central para o pensamento de Nietzsche como um todo. Há também alguma incerteza interpretativa sobre o trabalho, o que foi escrito em toda a extensão de três anos devidamente termina triunfal na conclusão da terceira parte e situar a quarta parte psicologicamente complexa  como um suplemento a questão de sensibilização ou se a narrativa se move suavemente e progressivamente em todas as quatro partes.

manuscrito de alem do bem e do malAlém do bem e do mal para uma Filosofia do Futuro (Jenseits von Gut und Bose. Vorspiel einer Philosophie der Zukunft, 1886) é sem dúvida um repensar sobre os temas de Humano demasiado humano desde suas respectivas tabelas de conteúdo e seqüência que correspondem um ao outro. Em Alem do bem e do mal Nietzsche identifica a imaginação, a auto-afirmação, o perigo, a originalidade e “a criação de valores” como qualidades dos filósofos genuínos ao contrário de personagens incidentais. Nietzsche faz pontaria em alguns dos grandes filósofos que fundamentaram suas perspectivas de coração em conceitos como “auto-consciência”, “livre arbítrio” e pensamento bipolar.

Nietzsche alternativamente filosofa a partir da perspectiva de vida localizada em além do bem e do mal e desafia a idéia arraigada da moral que alimenta a exploração e a dominação atravéz da lesão para a destruição, fraquesa e apropriação são comportamentos universalmente censuráveis. Acima de tudo ele acredita que os seres vivos tem como objetivo cumprir a sua força e expressar a sua “vontade de poder”, um derramar de energia expansiva como se um fosse um sol brilhando perpetuamente que muito naturalmente pode acarretar em dor, perigo, mentiras, enganos e máscaras. Aqui “será” não é um vazio interior, a falta, o sentimento de deficiência, ou unidade constante de satisfação, mas é uma fonte de energia constante, inchaço, ou poder.

Nietzsche nega que haja uma moralidade universal aplicável indistintamente a todos os seres humanos e em vez disso designa uma série de moralidades em uma ordem hierárquica que sobe a partir do plebeu ao nobre, algumas moralidades são mais adequadas para papéis subalternos, alguns são mais apropriados para dominar e levados a papéis sociais. O que conta com uma ação preferível e legítima depende do tipo de pessoa. O fator decisivo é saber se um é mais fraco, doente e em declínio ou se um é mais saudável, mais poderoso e cheio de vida.

NietzcheGenealogia da Moral (Zur Genealogie der Moral, Eine Streitschrift, 1887) é  composto de três ensaios contínuos que promovem a crítica do cristianismo expressa em Além do bem e do mal. O primeiro ensaio continua a discussão da moralidade do mestre contra a moralidade do servo e sustenta que os ideais tradicionais estabelecidos como o santo e moralmente bom dentro da moral cristã são produtos de auto-engano uma vez que foram forjados no ar ruim de vingança, ressentimento, ódio, impotência, covardia e etc. Neste ensaio bem como os seguintes Nietzsche faz referências polêmicas para a “besta loura” em conexão com a moral do mestre que também aparecem…

Eduardo Piloto

Anúncios

Marcel Proust

Marcel-ProustO romancista francês Marcel Proust foi um dos maiores escritores do século XX. Seus livros dispensavam o enredo e a ação dramática em favor de descrições do narrador em suas experiências no mundo.
Marcel Proust nasceu em 10 de julho de 1871 em Auteuil subúrbio de Paris na França. Seus pais, Dr. Adrien Proust e Jeanne Weil eram ricos. Proust foi uma criança nervosa e frágil. Quando ele tinha nove anos seu primeiro ataque de asma quase o matou. Em 1882 Proust foi inscrito no Lycée Condorcet onde somente nos últimos dois anos de estudo ele pôde distinguir-se como um estudante. Após um ano de serviço militar Proust estudou direito e filosofia. Proust ficou conhecido como um conversador brilhante com a capacidade de imitar os outros, embora alguns o considerassem um esnobe e alpinista social.
Em 1892 e 1893 Proust escreveu críticas, esboços e contos para a revista Le Banquet e La Revue Blanche. Seu primeiro trabalho Les Plaisirs et les jours (Prazeres e os Dias) uma coleção de histórias curtas e descrições com versos curtos que foi publicada em 1896. Proust havia feito uma tentativa de um grande trabalho em 1895 mas ele estava inseguro de si mesmo e abandonou em 1899. Ela apareceu em 1952 sob o título de Jean Santeuil de milhares de páginas, Bernard de Fallois tinha organizado o romance de acordo com um plano esboçado que ele teve acesso. Partes do romance fazem pouco sentido e muitas passagens são de outras obras de Proust. Algumas no entanto estão muito bem escritas. Jean Santeuil é a biografia de um personagem inventado que se esforça para seguir sua vocação artística.
Depois de abandonar Jean Santeuil Proust voltou aos seus estudos fazendo ampla leitura de outras literaturas. Durante 1899 ele se interessou pelas obras do  crítico Inglês John Ruskin (1819-1900) e depois da morte de Ruskin no ano seguinte Proust publicou um artigo que o estabeleceu como um estudioso de Ruskin. Proust escreveu vários artigos sobre Ruskin e com a ajuda de um amigo que falava Inglês Marie Nordlinger e de sua mãe Proust traduziu para o francês a Bíblia de Amiens (1904), gergelim e Lírios (1906). A leitura das idéias de Ruskin sobre arte o ajudou a formar suas próprias idéias e ir além dos problemas que teve em  Jean Santeuil.
Em 1903 o pai de Proust veio a falecer. A morte de sua mãe dois anos depois forçou Proust a ficar em um sanatório, ficando menos de dois meses. Ele surgiu novamente na sociedade e depois de dois anos com uma série de artigos publicados em Le Figaro durante 1907 e 1908. Em novembro 1908 Proust estava planejando seu Contre Sainte-Beuve (publicado em 1954 sobre arte e literatura). Ele terminou durante o verão de 1909 e imediatamente começou a trabalhar no seu grande romance, Em Busca do Tempo Perdido.
manuscritos de Sodoma e Gomorra (o centro de Em Busca do Tempo Perdido) Proust em 1909 reuniu a maioria do material que se tornou o la recherche du temps perdu (em busca do tempo perdido) mas ele ainda se sentia incapaz de estruturar o material. Em janeiro de 1909 a combinação de sabores de uma xícara de chá com torradas trouxe sensações que lhe lembravam a sua juventude no jardim de seu avô. Estes sentimentos  revelaram  algo “auto-oculto”a Proust. Ele havia dito em Contre Sainte-Beuve que sentira que o processo de renascimento artístico foi o tema necessario para seu romance . Em À la recherche du temps perdu Proust estava preocupado principalmente com a descrição e não na vida real mas sim na visão de seu narrador (Marcel). Ele traça o seu crescimento através de uma série de lembranças de suas experiências e percebe que essas experiências refletem sua vida interior de forma mais verdadeira que a sua vida exterior.
Proust começou seu romance em 1909 e trabalhou nele até a sua morte. Em 1913 ele encontrou uma editora que produziu o primeiro de três volumes projetados Du Côté de chez Swann (No Caminho de Swann). O escritor francês André Gide (1869-1951) em 1916 obteve os direitos para publicar o restante dos volumes.  Proust expandiu o seu material adicionando seções longas apenas antes da publicação. Sentindo que seu fim se aproximava Proust se apressou e terminou seu romance.  Em 18 de novembro de 1922 Proust morreu de bronquite e pneumonia após uma série de ataques de asma. Os volumes finais de seu grande romance surgiram sob a direção de seu irmão Robert.

Eduardo Piloto

Edgar Allan Poe

EdgarAllanPoeEdgar Allan Poe um dos escritores mais famosos do século 19 passou a maior parte de seus anos produtivos trabalhando como jornalista em grandes cidades do norte dos Estados Unidos. Nascido em 19 de janeiro de 1809 em Boston Massachusetts, Poe foi o segundo filho de David e Elizabeth Arnold Poe ambos artistas teatrais ativos da Costa Leste dos Estados Unidos. Seu pai desapareceu misteriosamente em 1810 e após a morte posterior de sua mãe em dezembro de 1811 ele se tornou o filho adotivo de John Allan um comerciante de tabaco em Richmond em Virgínia que troxe grandes vantagens  a infância de Poe. Em 1826 ele freqüentou a Universidade de Virginia deixando-a depois de apenas alguns meses para se juntar ao Exército dos Estados Unidos. Seu primeiro volume de poemas intitulado Tamerlane and Other Poems foi publicado privadamente em 1827 um segundo volume Al Aaraaf Tamerlão e Poemas Menores apareceru em 1829 logo depois que ele foi dispensado do exército. Ajudado por seu pai adotivo ele entrou para West Point em 1830 como cadete mas logo foi dispensado por não atender ás normas. A partir de 1829 escritores e jornalistas influentes como John Neal e John P. Kennedy começaram a apoiar seus esforços para alcançar proeminência literária e então um terceiro volume de poesia foi publicado em 1831.
Grande conhecedor dos clássicos, na retórica e na estética da escola escocesa de filósofos, Poe foi segundo o crítico Robert D. Jacobs na verdade um sulista por temperamento e inclinação. Muitos de seus anos de formação foram gastos nas cidades do sul de Richmond e Baltimore, este último sendo a casa de seus parentes de sangue. Adotou a carreira literária após a morte de seu pai adotivo, Poe começou a contribuir com revisões críticas ao Southern Literary Richmond em 1835 e mais tarde foi seu editor durante dois anos. Casou-se com Virginia Clemm sua prima que era menor de 14 anos em 1836. Até sua morte em 1849 Poe trabalhou incansavelmente como editor e  revisor escrevendo ao mesmo tempo poesia, ficção, revisões, e ensaios da mais alta excelência literária, tambem  contribuiu para jornais americanos, e em outubro de 1845, foi brevemente proprietário de sua própria revista, Broadway Journal.
capa original de 1884Poe publicou sua obra principal, a Narrativa de A. Gordon Pym, em 1838 e uma coleção de contos, Contos do Grotesco e Arabesco, em 1839. Seu poema “O Corvo” impresso no New York Evening em 29 de janeiro de 1845 que lhe trouxe reconhecimento considerável, uma segunda coleção de histórias curtas e um terceiro volume de poemas, O Corvo e Outros Poemas apareceram em 1845. Após a morte de sua esposa em janeiro de 1847 ele continuou a escrever e para prosseguir com sua ambição de manter sua própria revista. No início do outubro de 1849 enquanto viajava para Nova York para se casar com Sarah Royster Shelton Poe parou em Baltimore onde mais tarde foi encontrado doente em uma rua da cidade. Ele morreu em um hospital de Baltimore em 7 de outubro de 1849. Sua morte inesperada foi comentada por quase todos os jornais e revistas significativas no leste dos Estados Unidos.
Figura controversa Poe tem sido objeto de análise especulativa geralmente seus biógrafos concluem que a sua instabilidade como pessoa em parte foi devido à pressão de ser  jornalista. Apesar de por algum tempo ter experimentado a pobreza e os efeitos nocivos da má saúde Poe conseguiu aperfeiçoar uma variedade de formas literárias. Ele absorveu a atual onda de pensamento romântico, que no seus dias trouxeram mudanças significativas na teoria literária e prática. Sua inclinação clássica junto a sua formação em filosofia escocesa e estética contribuiram para a sua teoria da unidade de efeito e suas idéias sobre o poema curto. Ele e Nathaniel Hawthorne introduziram as ambiguidades do simbolismo em seus contos góticos e Poe é creditado com a definição do conto como uma forma distinta literária. Suas tentativas de formular um método objetivo para a escrita de poesia teve algum impacto sobre os poetas simbolistas franceses das últimas décadas do século 19. Na área da literatura popular ele disse ter sido pai do romance policial moderno e algumas formas de ficção científica.
Poe medallionPoe acreditava que sua arte deveria ser avaliada por organizações internacionais ao invés das normas norte americanas, mas ela era no entanto freqüentemente identificada na época como sulista. Ele não defendeu a política, sua região ou costumes sociais, assim como outros escritores do sul dos Estados Unidos mesmo sendo seu lirismo comum aos poetas do sul,  seu trabalho transcende diante de qualquer regionalismo.

Eduardo Piloto

Saudações

Aqui abordaremos temas referentes aos universos do Hard Rock 70, Rock Progressivo, Psicodelia e afins. Falaremos tambem um pouco a respeito de Jazz, Arte e Literatura em geral. Esperamos que gostem.
Sejam muito bem-vindos!!!